quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Índios do Rio Grande do Sul aproveitam o verão para vender artesanato nas praias de Santa Catarina

Índios de Iraí (RS) aproveitaram a praia cheia para mostrar seus produtos aos turistas
Por: Viviane Bevilacqua / www.clicrbs.com.br

Índios kaingang vendem aretesanato nas praias de Florianópolis - Diego Redel / clicRBS
Na quarta, com a volta do sol, as praias de Florianópolis estavam lotadas. O índio Augusto Ope da Silva, 56 anos, um dos líderes dos Kaingang que chegaram à cidade no dia 21 de dezembro comemorava o bom tempo.

Todos os dias, assim que amanhece, 60 índios vindos de Iraí (RS), deixam o acampamento, no Parque Estadual do Rio Vermelho e, em grupos, vão para as principais praias da Capital vender seus artesanatos. Cada um leva nos braços sacolas lotadas de mercadoreias. O dinheiro das vendas sustenta a comunidade durante o ano.

Augusto tem sua barraca na Barra da Lagoa. Ele vende arcos e flechas, cestaria e bijuterias confeccionadas com madeira e sementes. Os turistas - falando nas mais diversas línguas - mostravam-se curiosos para conhecer a arte ancestral dos índios Kaingang.

— Quando os visitantes perguntam, eu falo um pouco da nossa cultura. É importante conhecerem a história dos índios brasileiros — comenta Augusto.

Olga Ventura, 54 anos, sente saudade da aldeia em Iraí. Desde menina faz cestas e colares, que aprendeu com a mãe. Na praia, atende os turistas, mas não tira os olhos dos seis filhos, todos jovens.

— Aqui tem muita gente, muito barulho. Sinto falta do sossego da minha terra — comenta.

Além da Barra, os Kaingang vendem seus produtos em Ingleses, Canasvieiras, Jurerê, Lagoa da Conceição, Praia Mole e Joaquina. Cada família tem seu ponto fixo. Quando chega a noite, eles reúnem-se no acampamento e fazem um balanço das vendas do dia. Dormem cedo, logo após o jantar, pois no dia seguinte, bem cedo, já estão a postos, atraindo os turistas nas praias.

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início