sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Homenagem: “Campanha Y Ikatu Xingu: Um Brasil que Faz”

"A CampaPor Reginaldo Donizete Alves
nha Y Ikatu Xingu
“A Campanha Y Ikatu Xingu surgiu em 2004 para atuar na recuperação e proteção das nascentes e cabeceiras do Rio Xingu. Estima-se que já foram desmatados quase seis milhões de hectares de vegetação nativa na Bacia do Rio Xingu em Mato Grosso, o que significa que aproximadamente 33% da cobertura vegetal original já foi suprimida no estado.

Uma das linhas de ação é a viabilização econômica e tecnológica da restauração de matas ciliares. Até o momento, diversas iniciativas ligadas a campanha contribuíram para a restauração de mais de dois mil hectares de matas ciliares que se encontram em diferentes estágios de crescimento em pequenas, médias e grandes propriedades rurais e em assentamentos de reforma agrária.

As parcerias e ações desenvolvidas na região têm mostrado resultados. Hoje, as prefeituras dos municípios que estão na Bacia do Rio Xingu começam a estruturar programas de educação agroflorestal e a repensar a estratégia de planejamento territorial. Os povos indígenas monitoram a qualidade da água dos rios e colaboram significativamente com a coleta de sementes para projetos de restauração florestal. Assentados e agricultores familiares estão recuperando suas áreas e criando alternativas de renda com a implantação de sistemas agroflorestais e o manejo de suas áreas”. Para saber mais acesse www.yikatuxingu.org.br

Pela importância deste trabalho de recuperação e preservação das nascentes do rio Xingu, entendo que a campanha Y Ikatu Xingu é um Brasil que Faz pela dimensão alcançada nas ações desenvolvidas pelos indios e comunidades locais. Num universo que valoriza a destruição da natureza, em nome de uma suposta economia desenvolvimentista, este projeto vai na contra mão de valores sustentados pela noção economicista de sociedade e de progresso. Pense nisso!”

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início