sábado, 23 de abril de 2011

Papa Bento XVI no Coliseu de Roma celebra a Paixão de Cristo 23/04/2011

22/04/2011 19h14 - Atualizado em 22/04/2011 21h38 

Papa Bento XVI preside Via Sacra no Coliseu de Roma
Pontífice, de 84 anos, não percorreu a pé as 14 estações.
Mais cedo, ele deu entrevista inédita à TV, em que respondeu a fiéis.

Da AFP

imprimir O Papa Bento XVI presidiu nesta sexta-feira (22), no Coliseu de Roma, a tradicional Via Sacra, que lembra o calvário de Cristo até sua crucificação, e que este ano foi dedicada à crise do homem moderno.

Como ocorreu no ano passado, o Papa, que fez 84 anos no dia 16 de abril, acompanhou da colina do Palatino boa parte da Via Sacra, sem percorrer a pé as 14 estações.

No final, Bento XVI se uniu à cerimônia, mas não carregou a cruz.

A Via Sacra teve início às 21h15 locais (17h15 de Brasília) e este ano durou menos de duas horas.

O Papa encarregou a redação das meditações lidas durante as 14 estações à religiosa Maria Rita Piccione, presidente da Fundação das Freiras Augustinas.

Esta foi a primeira vez que Bento XVI entregou a redação das meditações da Via Sacra a uma mulher.


O Papa Bento XVI preside a Via Sacra nesta sexta-feira (22) em Roma (Foto: AP)As meditações foram inspiradas no pensamento de Santo Agostinho (354-430), uma das referências de Bento XVI, que se graduou como teólogo, em 1953, com uma tese sobre a doutrina da Igreja segundo este santo.

O texto denuncia "a perseguição contra a Igreja de ontem e de hoje", que "mata cristãos em nome de um Deus estranho ao amor, e que ataca a dignidade com mentiras e palavras arrogantes".

"É a hora das trevas (...) as várias máscaras da mentira enganam a verdade e as ilusões do sucesso afogam o apelo íntimo à honestidade", destaca.

Este ano, a cruz foi carregada nas 14 estações do calvário por uma família romana, de cinco filhos, incluindo gêmeos, outra família, etíope, e uma menina egípcia.

A maior parte da cerimônia foi oficiada pelo cardeal italiano Agostino Vallini, vigário de Roma.

A Via Sacra foi acompanhada por numerosos peregrinos, que carregavam tochas, e transmitida pela TV para vários países do planeta.

Mais cedo nesta sexta-feira, Bento XVI deu uma inédita entrevista à TV, na qual fez um apelo às autoridades iraquianas a ajudar os cristãos, ao mesmo tempo em que exortou os marfinenses a renunciar à violência.

Do seu escritório no Vaticano, o Papa respondeu na TV estatal italiana RAI a sete questões formuladas por pessoas de países e meios diversos, sob a forma de um talk-show, que contou com intervenções de teólogos e fiéis, ouvidos nas ruas de Roma.

Num dos momentos mais emocionantes, Bento XVI respondeu a uma menina japonesa de sete anos, que sentiu "a casa tremer muito" durante o terremoto de 11 de março no Japão e que perguntou a ele por que as crianças tinham de sofrer.

"Querida Elena, cumprimento-a de todo o coração. Também eu me pergunto: por que isso aconteceu? Por que vocês têm de sofrer tanto, enquanto outros vivem comodamente?", respondeu o Papa.

"Não temos resposta, mas sabemos que Jesus sofreu como vocês, inocentes. Isso me parece muito importante, apesar de não termos respostas, mas Deus está ao seu lado", disse o Pontífice à menina.

Em resposta a sete estudantes iraquianos - quatro mulheres e três homens, Bento XVI disse que "as instituições" no Iraque e "todos aqueles" que tenham realmente possibilidade" devem "fazer alguma coisa" para ajudar os cristãos, ameaçados por islamitas a emigrar - evocando a série de atentados, como os de 31 de outubro passado, assumido pela Al-Qaeda, que fez 46 mortos, na catedral siríaca católica de Bagdá.

Bento XVI também pediu "a todas as partes" envolvidas no conflito na Costa do Marfim "a renunciar à violência e buscar o caminho da paz".

Ele respondeu, assim, a uma pergunta feita por uma mulher muçulmana da Costa do Marfim, Bintu, que se lamentava do conflito existente há anos nesse país africano.w1TenMinutes

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início