sábado, 16 de julho de 2011

Projeto de turismo indígena em Mato Grosso dá seus primeiros passos

Luciana Menolli
de Tangará da Serra

Um rio de águas límpidas, verdes. Uma mata fechada, intocada. Trilhas, esportes radicais, contemplação. Uma aldeia indígena rústica com os representantes da etnia paramentados e apresentando aos visitantes tudo que a cultura oferece, como se voltasse há 300 anos, sem o contato com o homem branco. Este cenário está prestes a se tornar realidade e na terra Paresí, entre os municípios de Tangará da Serra e Campo Novo do Parecis. É o projeto da aldeia virtual turística, que começa a dar seus primeiros passos a 116 Km de Tangará, sendo 100 Km em estrada asfaltada e apenas 16 na terra.

Rony Paresí, Daniel Cabixi e Genílson Kesomae estão à frente do projeto, que terá um estrutura única em termos de Brasil. “Existem outras aldeias com propostas parecidas com esta na Bahia, em Goiás, no Amazonas, mas aqui, mais para o Norte e em nossa região, não. Seremos um modelo que poderá ser desenvolvido até por outras comunidades indígenas futuramente”, salienta Rony Paresí.

Segundo o projeto, a Aldeia Wazarê terá todos os elementos citados acima, com habitações próprias das aldeias de 300 anos atrás, antes da mistura cultural branca. Os indígenas que viverão no local, estarão sempre paramentados e, aos visitantes, servirão de guias, sempre incentivando a preservação ambiental. Será uma aldeia de convivência, onde o turista aprenderá sobre a cultura e poderá participar de danças típicas, dos esportes indígenas, das pinturas e dos rituais, adentrando num universo diferente do vivenciado na área urbana e nas comunidades ditas civilizadas.

“Queremos dar às pessoas a verdadeira percepção do que é a comunidade indígena, visando a questão do rompimento de preconceitos, da preservação ambiental. É um projeto inovador, que visa atender à expectativa turística e cultural da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas, transformando nossa terra em roteiro e criando emprego e renda dentro da própria comunidade. Será uma aldeia autossustentável”, explicou.

Rony também chamou atenção para aqueles que trabalharão na Wazarê, todos com nível médio, superior ou com especialização, atentando para a abertura de visões do mundo em relação ao atendimento que será dado ao turista/visitante do local. A escola da aldeia também terá um papel importante, ensinando os pequenos indígenas na sua língua materna e na portuguesa, bem como chamando a atenção para a cultura Paresí; uma forma de mantê-la viva também nas gerações mais jovens.

Para atender o turista, algumas tecnologias, como banheiro e área para camping constam do projeto. O visitante vai ser recepcionado por um guia, indígena e paramentado – no caso de ser turista estrangeiro, haverá um da própria comunidade para atender, guiar e auxiliar o grupo ou indivíduo -, e terá à disposição trilha ecológica, passeio de barco rústico, apresentação de danças e rituais, modalidades esportivas, pinturas corporais e passarelas para visualizar o Rio Verde e suas belezas, entre outros atrativos.

O sistema de visitação será controlado e limitado e serão feitos pacotes conforme os visitantes, sendo quatro modalidades: comunidade escolar, sociedade da região em geral, pessoas de outros estados e estrangeiros. Rony Paresí salienta que os pacotes têm seu diferencial basicamente nos valores, onde para as escolas públicas o valor cobrado será o menor e para os estrangeiros, o maior.

O projeto está em seu início, porém, até outubro as moradias rústicas devem estar prontas, segundo previsão dos organizadores e idealizadores do projeto, que tem como apoiadores as secretarias municipais de Turismo de Campo Novo e de Tangará e o deputado estadual Wagner Ramos. O custo do projeto é de R$ 30 mil e os benefícios para a comunidade Paresí, incomensuráveis.

Os organizadores têm previsão para que todo o complexo turístico Wazarê esteja pronto até o início de 2012, sendo inaugurado solenemente no dia 19 de abril, data em que se comemora o Dia do Índio no Brasil. O projeto também contempla um site, que está em fase de elaboração, contendo todos os pacotes, passeios, fotos, dados dos moradores da Aldeia Wazarê, histórico da etnia Paresí, bem como central de reservas, que poderão ser feitas via web ou telefone. Outro detalhe, por falar em telefone, é que pela proximidade dos dois municípios, os celulares terão área de cobertura no local, facilitando a comunicação, ou seja, tecnologia unida à preservação cultural e ambiental.

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início