quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O pinto esfolado vivo e o ovo nosso de cada dia

Por Leonardo Sakmoto
Publicado por Kassu - 10/09/2009 às 23h11


Dia desses, um amigo me perguntou o que acontece com os pintinhos machos que nascem em grandes granjas voltadas à produção de ovos, uma vez que – até que se prove o contrário - eles não põem ovos.

A despeito do questionamento bizarro (não farei esforço algum para contextualizar os termos da nossa conversa), é uma boa pergunta. Afinal, se nenhuma manipulação ambiental ou genética for feita, cerca de 50% deles deveria nascer macho. O que ocorre com os indesejáveis?

Um vídeo postado por um grupo de defesa dos animais, a Mercy of Animals, e que está circulando na rede, mostra como centenas de milhares de pintinhos são mortos em uma das maiores granjas do mundo, a Hy-Line International, localizada no Estado norte-americano de Iowa. Está em inglês, mas o que importa são as imagens.




Uma amiga, que estudou zootecnia, me explicou que essa forma de “descarte” – no que pese ser medonha – é comum aqui no Brasil. Em muitos casos, criar um sistema para vender o galinho aumentaria o custo de produção dos ovos. Pois se a empresa quer lucro, nós queremos produtos baratos.

Outras possíveis formas de desova são lançar o pinto em água eletrificada ou jogá-lo em uma câmara de vácuo e retirar o ar. Na prática, o bichinho explode. O que sobra muitas vezes é usado como ração para as próprias galinhas. Se fosse vaca, ficaria louca.

Não estou dando lição de moral e não tenho a menor intenção de ensinar nada com isso. Apenas lembrar que a gente é o que a gente come.

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início