segunda-feira, 12 de abril de 2010

Para Cidinho, governo Maggi priorizou políticas para valorização da agricultura familiar

THIAGO ITACARAMBY

Assessoria/SEPE-MT


O ex-secretário de Estado de Projetos Estratégicos, José Aparecido dos Santos, o Cidinho, afirma que a marca de sua gestão no governo Blairo Maggi foram os investimentos em torno da política de valorização da agricultura familiar. Para isso, foram feitas ações e recursos para o setor. Segundo o ex-secretário, os resultados são os avanços das cadeias produtivas, além da produção organizada. De fato, o Programa de Desenvolvimento Regional – MT Regional contribui e muito para a diminuição das desigualdades sociais em Mato Grosso. Isso tudo se deve graças à criação dos 15 Consórcios Intermunicipais que atende todos os 141 municípios mato-grossenses.

Cidinho faz uma avaliação positiva das ações do governo nas áreas econômicas e agrárias, e diz que o sistema foi reestruturado com base no diagnóstico levantado em cada região do Estado pelos superintendentes de cada Consórcio. No entanto, os recursos foram de acordo com o perfil econômico de cada município. “É uma avaliação positiva, se considerarmos que o sistema de agricultura há anos foi literalmente acabado. No governo Maggi começou a reestruturação do sistema na medida em que foram criados os Consórcios com o objetivo de desenvolver a agricultura familiar no Mato Grosso”, assegura.

Outro fator defendido pelo ex-secretário é a descentralização das licenças ambientais. Segundo ele, através dessa iniciativa houve aumento da produtividade com a liberação de recursos e a criação de novos projetos em prol das cadeias produtivas. “A grande sacada do governo é a descentralização dos investimentos, voltados para as regiões mais carentes”, cosidera.

De acordo com Cidinho, podemos destacar a região do Médio Araguaia e Araguaia, com investimentos voltados para o biodiesel. A região Sul do Estado, por exemplo, teve grandes projetos direcionados para a bacia leiteira com a criação do Centro de Melhoramento Genético em Juscimeira. Já a baixada cuiabana obteve grandes resultados direcionados para a produção de peixes. Foram entregues equipamentos e maquinários para abertura de lâminas d’águas aos pequenos produtores. A iniciativa é uma parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural (Seder) mediante o Programa Criar N’Água.

Na opinião do ex-secretário, o sucesso dos Consórcios só foi possível graças à união com a sociedade organizada. Para ele, trata-se de uma ação que deverá ser seguida pelos próximos governos devido à eficácia junto os municípios. “A ideia é promover o desenvolvimento regional”, disse ele.

Entre os programas que merecem destaque na opinião de Cidinho são o MT Floresta, o Balde Cheio e o MT Proheveia, destinado à produção de seringueira no Estado. Todos eles com foco no pequeno produtor. As ações de governo recebem parcerias da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural (Seder) e Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer).

Para o futuro, Cidinho comenta que é preciso haver mais condições para a produção. Segundo ele, é de suma importância investir em irrigação, na produção de leite, no Turismo. Por outro lado, para que haja recursos disponíveis, o ex-secretário ressalta as parcerias firmadas com instituições financeiras como é o caso do Banco do Brasil e Sicredi. Ambos disponibilizam linhas de crédito para os pequenos produtores e aprovam projetos em prol das cadeias produtivas em ascensão em nosso Estado.

“Temos que trabalhar encima da atração de indústrias para MT. Além disso, investir melhor na assistência técnica voltada ao pequeno produtor. É preciso de mais técnicos assistencialistas nos campos”, aponta Cidinho.

Para finalizar, o ex-secretário de Projetos Estratégicos disse que o futuro da economia, das relações humanas e do progresso da humanidade será decidido nos municípios. “Não vamos mudar a cara de Mato Grosso sem reforçar as políticas nos municípios”

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início