domingo, 23 de maio de 2010

O japonês que renovou o sertanejo

Fernanda Colavitti / Época / Publicado por Kassu em 23/05 às 13h07

Ivan Miyazato é um dos criadores do novo gênero que faz sucesso com universitários


RICARDO CORRÊA
CAÇA-TALENTOS
Ivan Miyazato em seu estúdio, em Alphaville. De Campo Grande para São Paulo

Quando tinha 18 anos, o estudante de ciências contábeis Ivan Miyazato, que tocava música sertaneja desde os 15 nos bailes de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, montou um miniestúdio de gravação com dois amigos, dentro do quarto de um deles. A ideia do trio era gravar as próprias músicas e as de duplas que faziam sucesso nas festas universitárias na cidade, mas não tinham acesso aos estúdios de São Paulo – onde só havia espaço para nomes consagrados da música sertaneja, como Chitãozinho & Xororó e Zezé Di Camargo e Luciano.

Como faltava estrutura musical de apoio, os três improvisavam arranjos mais simples do que aqueles usados nas músicas das duplas de sucesso da época. A gravação era basicamente de voz e violão. Mesmo assim, deu certo. O estúdio cresceu e se transformou na primeira gravadora do Estado, a Pantannal, especializada em talentos regionais. Ivan desistiu da faculdade e abraçou a carreira de produtor musical. O sucesso de estúdio veio junto com o de uma das duplas que ajudou a lançar: João Bosco & Vinícius. Não reconheceu os nomes? O.k., mas você já deve ter ouvido “Chora me liga”, o hit de maior sucesso da dupla. Foi a segunda música mais tocada nas rádios no ano passado, atrás apenas de “Halo”, de Beyoncé. Entre as nacionais, foi a mais ouvida.

João Bosco & Vinícius tornaram-se conhecidos com um disco apoiado apenas em voz e violão e são precursores do chamado sertanejo universitário. O nome (com o qual nem todos os artistas concordam) é uma referência à origem da maioria das novas duplas de sucesso, que começaram tocando em festas e bares frequentados por universitários. Hoje em dia esse estilo de música se tornou onipresente no interior do país e, surpreendentemente, conquistou os jovens de classe média das grandes cidades, que antes pareciam totalmente hipnotizados pelos ritmos eletrônicos.

O novo gênero tem seus segredos. O ritmo é mais dançante que o sertanejo habitual. Mistura batidas de rock, country, axé e, em alguns casos, até forró. As letras usam uma linguagem moderna, repleta de gírias, e contam histórias urbanas e alegres. Não é música de dor de cotovelo. O resultado dessas mudanças é que a nova vertente sertaneja deixou de ser vista pelo jovens como música de caipira. Além de João Bosco & Vinícius, duplas como Maria Cecília & Rodolfo, Fernando e Sorocaba e o cantor Luan Santana – todos eles ligados de alguma forma a Miyazato – tornaram-se os novos ídolos musicais da juventude abastada.

A linguagem do sertanejo universitário é
mais jovem e o ritmo mais dançante

Universitários como a paulistana Beatriz Pereira, de 23 anos, não têm mais vergonha de assumir que curtem música sertaneja. Fã da dupla Fernando e Sorocaba, a estudante de medicina estava na noite de quinta-feira entre 500 jovens que pagaram de R$ 20 a R$ 40 para dançar e cantar a plenos pulmões hits sertanejos no bar Mercearia São Roque, em São Paulo, frequentado por jovens da elite paulistana. Por insistência dos clientes, desde o ano passado a casa dedica duas noites ao sertanejo universitário. Não é a única. Desde junho do ano passado, no também paulistano Café de la Music, o público jovem de classe alta paga de R$ 40 a R$ 80 pela entrada para dançar música sertaneja nas noites de terça-feira e domingo.

Tradicionalmente menos afeitos à música sertaneja do que os paulistas, os cariocas também começam a se render ao novo ritmo. No ano passado, as casas noturnas Namaste, localizada na Gávea, e Lapa 40o, na Lapa, participaram do Festival Rio Sertanejo, evento cujo objetivo foi difundir o som das duplas na cidade. Os 8.500 ingressos disponíveis para o show que o cantor Luan Santana fez na cidade no começo deste ano, no Citibank Hall, na Barra da Tijuca, esgotaram-se.

Rogério Cassimiro
BALADA
A estudante Beatriz Pereira (de branco) canta no Mercearia São Roque, em São Paulo

O que explica esse sucesso? Para a advogada paulistana Taís Rodrigues, de 30 anos, fã das duplas Jorge e Mateus, Fernando e Sorocaba e do cantor Luan Santana, é a combinação do ritmo alegre com os temas das letras. “Elas falam sobre relacionamentos, mas sem ser de uma maneira triste”, diz ela. A explicação é parecida com a de Daniel Rigon, coordenador de shows da Som Livre, gravadora que lançou os CDs de Maria Cecília & Rodolfo e Luan Santana, entre outros. “Se você for a uma festa sertaneja, vai notar que o clima é de festa, quase uma micareta”, afirma ele. “A linguagem reflete o cotidiano desses jovens.”

Do ponto de vista estritamente musical, no entanto, o sertanejo universitário não é tão diferente daquele cantado pelas duplas que fizeram sucesso na década de 90. “O grande lance de qualquer música sertaneja é que qualquer pessoa que aprende violão consegue tocar. Os arranjos e as melodias são simples”, diz o cantor João Bosco, da dupla João Bosco & Vinícius. Ele explica que as duplas de sertanejo universitário usam os mesmos instrumentos que as duplas mais antigas. A diferença está nos arranjos, que ficaram mais acelerados. Também não há vozes de apoio (chamadas de backing vocal) nem violinos. Com exceção de Luan Santana, que canta sozinho, a maioria dos cantores atua em dupla. Mas as vozes já não precisam ser tão finas e altas. “As músicas sertanejas mais antigas exploravam muito a voz aguda”, diz Sorocaba, da dupla Fernando e Sorocaba. “Hoje, os dois cantores podem trabalhar uma faixa de voz mais grave.” O visual das duplas também se modernizou. Em vez de se vestirem como caubóis, eles estão mais parecidos com astros da música pop e do rock. O chapéu ainda está presente, mas a camisa xadrez foi trocada pela camiseta básica, as calças de couro pelo jeans e a bota de bico fino por tênis ou sapato social. As mudanças na música e no estilo da nova geração de cantores são aprovadas por veteranos como Chitãozinho, da dupla sertaneja Chitãozinho & Xororó, a primeira a tocar nas rádios FM do Brasil, na década de 80. “Essa moçada está transmitindo a música sertaneja para a nova geração, assim como fizemos na nossa época”, afirma.

Nos bastidores dessa renovação, está Ivan Miyazato, que agora tem 32 anos. Ele seguiu a trajetória das duplas que ajudou a gravar em Campo Grande e moveu-se para São Paulo, onde está o grande mercado. A camaradagem de jovens iniciantes se transformou em negócio rentável de adultos. Seu estúdio de gravação agora está instalado em Alphaville, Barueri, na região metropolitana de São Paulo. Ele também mora na cidade com a mulher e a filha de 1 ano e 8 meses. Em parceria com Pinocchio, um veterano produtor de música sertaneja, ele produz áudio, vídeo e faz mixagens para a maioria das novas duplas de sertanejo universitário. Nascido em uma família de classe média baixa – os pais, japoneses, eram feirantes –, ele diz que em Campo Grande cobrava cerca de R$ 20 mil para produzir um disco. Agora cobra R$ 100 mil. Mas jura que continua morando de aluguel (em uma casa maior) e que, ao contrário das duplas com as quais trabalha, ainda não ficou rico. Nem usa chapéu de vaqueiro: “Minha marca registrada é ser japonês”.

Sertanejo agora é cool
Cantores com os quais Ivan Miyazato já trabalhou e que fazem sucesso com o público jovem

 Divulgação
JOÃO BOSCO & VINÍCIUS

De onde são:
João Bosco é de Rondonópolis, MT, e Vinícius, de Naviraí, MS. A carreira da dupla começou em Campo Grande, MS
Quando começaram a fazer sucesso:
a dupla existe há 16 anos, mas despontou em 2009
Hit mais conhecido:
“Chora me liga”
Quanto já venderam:
1 milhão de cópias de CDs e DVDs
Shows por mês:
cerca de 20


MARIA CECÍLIA & RODOLFO

De onde são:
Campo Grande, MS
Quando começaram a fazer sucesso:
a dupla existe desde 2007, mas estourou em 2008 com a gravação do primeiro CD
Hit mais conhecido:
“Você de volta”
Quanto já venderam:
55 mil CDs e 37 mil DVDs
Shows por mês:
entre 18 e 20
 Divulgação

 Divulgação
LUAN SANTANA

De onde é:
Campo Grande, MS
Quando começou a fazer sucesso:
em setembro de 2009
Hit mais conhecido:
“Meteoro”
Quanto já vendeu:
102 mil CDs e 66 mil DVDs
Shows por mês:
ao redor de 25


FERNANDO E SOROCABA

De onde são:
Londrina, PR
Quando começaram a fazer sucesso:
2008
Hit mais conhecido:
“Paga pau”
Quanto já venderam:
600 mil CDs e DVDs
Shows por mês:
cerca de 20
Fábio Nunes

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início