quarta-feira, 2 de março de 2011

Empresa diz produzir biocombustível a partir de bactéria

Fonte: Portal Terra
Edição: Meider Leister



E se fosse possível produzir combustível usando apenas a mesma combinação que faz uma planta crescer? A Joule Unlimited, empresa da área de biotecnologia de Massachussetts (EUA), afirma que consegue. A organização inventou um organismo geneticamente modificado que, segundo a companhia, simplesmente secreta óleo diesel ou etanol sempre que está exposto à luz do sol, com água e dióxido de carbono (CO2) disponíveis.

A empresa afirma que pode manipular o organismo para produzir combustíveis renováveis a taxas sem precedentes e que pode fazê-lo em grande escala e baixo custo, se comparado ao dos combustíveis fósseis mais baratos. O organismo em questão é uma cianobactéria que, apesar de não pertencer ao reino vegetal, e sim ao monera (bactérias), também é chamada de alga.

Geneticamente modificada, ela é capaz de produzir e secretar etanol ou hidrocarbonetos - substâncias que compõem diversos combustíveis, como o diesel - na forma de subproduto da fotossíntese.

A companhia também tem a intenção de construir biorreatores com as cianobactérias, de modo que elas também consumam o dióxido de carbono emitido pelas indústrias. Esse método tem sido bastante estudado por cientistas para a redução de emissões de CO2, inclusive no Brasil.

"O que afirmamos é ousado, e é algo em que acreditamos, validamos e apresentamos a investidores", destacou à AFP o executivo-chefe da companhia, Bill Sims.

"Se estivermos parcialmente corretos, isso ainda revolucionará a indústria mundial de óleo e gás", projetou.

O feito ainda não está realmente completo, e há bastante ceticismo em relação à capacidade da Joule de cumprir a promessa. Segundo outros pesquisadores, as cianobactérias secretam uma baixa quantidade de combustível em um volume enorme de água, e a coleta do material pode apresentar complicações.

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início