sábado, 12 de março de 2011

Terra Abençoada - Por que o Brasil tem poucos desastres naturais?

por Marcos Nogueira e Cláudia de Castro Lima

Estamos livres de uma série de desgraças como terremotos, vulcões e furacões por causa de fatores geológicos e climáticos. Catástrofes como sismos, vulcanismo e ondas gigantes estão ligadas aos movimentos na crosta da Terra. A gente nem percebe, mas sua superfície anda: ela está dividida em placas, que deslizam sobre o magma (rochas derretidas pelo calor) entre 1 e 20 centímetros por ano. Nos encontros dessas placas é que ocorre a maior parte dos terremotos e vulcões (veja infográfico).

“No Brasil não há limite de placas ativas: estamos em cima de uma grande placa”, afirma o geólogo Edson Farias Mello, da UFRJ. No entanto, alguns abalos sísmicos de baixa intensidade podem ser sentidos por aqui. “Eles são reflexo de terremotos ocorridos nos Andes ou de pequenos movimentos que nossa estrutura geológica ainda provoca. Estamos sobre zonas que já foram ativas entre 600 milhões e 800 milhões de anos atrás”, diz o geólogo Caetano Juliani, da USP.

A pouca ocorrência de ventos devastadores como furacões, tufões e ciclones é devida à baixa temperatura do mar – nossos mares dificilmente atingem os 26,5 graus necessários para a formação das piores tempestades. Furacões e tufões são a mesma coisa, só com nomes diferentes. Ciclones são diferentes nas condições de formação e, geralmente, são mais brandos. “Um furacão deve ter ventos superiores a 118 quilômetros por hora, mas há ciclones com ventos muito intensos”, diz a meteorologista Rosmeri da Rocha, da USP. O Catarina, por exemplo, que passou em março pelo sul do Brasil, tinha características tanto de ciclone quanto de furacão, segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Ele é uma prova de que sempre pode dar zebra em nossa terra abençoada.

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início