quarta-feira, 1 de maio de 2013

Bois de Piranhas

Jaime Sautchuk *

Os atos suicidas em ações armadas de humanos me fazem relembrar um clássico sertanejo de Dino Franco e Décio Santos, notabilizado pela dupla Tião Carreiro e Pardinho. É a música “Travessia do Araguaia”, cujo tema é a técnica do boi de piranha, que é jogar um animal na água pra ser devorado, enquanto os outros passam.


A letra diz que um peão indignado perguntou ao boiadeiro o porquê daquele sacrifício e este respondeu que “Jesus também morreu pra salvar a humanidade”. A estória narrada nos faz conjecturar sobre o que o boi vitimado estaria pensando naquele momento. E aí voltamos aos humanos.

A decisão consciente de uma pessoa de se explodir junto com uma bomba presa ao seu corpo, de jogar-se com um avião contra navios, instalações militares ou torres de escritórios nos suscitam indagações idênticas. O que pensam esses seres ao se lançarem para a morte numa ação que muitas vezes é só pra chamar a atenção.

Desde logo, uma coisa é certa: trata-se de uma força motora muito diferente da que leva alguém a um suicídio, digamos, comum. Este é movido por algum fator psicológico, de desespero, depressão ou mesmo por razões muito nobres, como casos históricos de pessoas que se suicidaram para não se tornarem fardos para ninguém.

Neste último caso, enquadra-se o casal Paul Lafargue e Laura, filha mais nova de Karl Marx. Intelectuais de renome internacional, eles fizeram um pacto de morrerem juntos e de fato se suicidaram no dia 26 de novembro de 1911.

Também é conhecida a prática dos samurais japoneses, em tempos muito mais remotos, que se matavam por vergonha de alguma derrota ou em defesa da honra. Historiadores dizem que foi este gesto de samurai que inspirou, durante a II Guerra Mundial, a figura do kamikaze, os pilotos suicidas da força aérea japonesa.

Dados do governo daquele país nos contam que perto de 4.000 kamikazes morreram em ações para afundar navios ou derrubar instalações em terra das forças aliadas. O que os movia, mais do que a religião, era um forte sentimento nacionalista.

É claro que há diferenças entre um kamikaze, por exemplo, e um homem-bomba que se explode nas ruas ou próximo de algum alvo físico. Começa que o pilotos japoneses tinham sólida formação, em anos e anos de academia, o que custava muito. O contingente que morreu significou prejuízo incalculável para o Japão.

O mesmo pode-se dizer dos pilotos árabes que assumiram, por exemplo, os aviões que derrubaram as Torres Gêmeas no 11 de setembro de 2001, em Nova Iorque. Já um homem-bomba pode muito bem ser um analfabeto, que pouco custou à sua sociedade.

Há outras diferenças entre eles. O kamikaze visava só alvos militares e seu objetivo principal era enfraquecer o inimigo militarmente, ganhar terreno enfim numa guerra que estava em curso.

Os outros casos são mais para chamar a atenção para um problema, uma causa, ou mesmo se contrapor ao terror de estados. Ou então eliminar alguma autoridade militar ou civil que seja símbolo de um regime, do terror de algum estado.

Também são comuns as ações cuja função é simplesmente chamar a atenção das piranhas enquanto algo de maior porte, como a travessia do rio, estiver prestes a acontecer, ou já esteja em marcha. Isreal faz muito isso nas invasões de territórios palestinos, desde 1967. Chama a atenção para um lado e, num vapt-vupt, ocupa mais territórios em outras bandas.

O filósofo italiano Norberto Bobbio analisou a questão do terrorismo de Maquiavel a Che Guevara. O primeiro defendia os detentores do poder e os ensinava como, por via do terror, conseguiriam manter as rédeas nas mãos. Valia o terror pelas armas ou palavras e ações públicas amedrontadoras.

Já Ernesto Guevara era contra atentados terroristas fora de uma situação de guerra, que envolvam populações civis, colocando a sociedade contra um movimento revolucionário. “Provoca uma perda de vidas de seus executivos muito superior àquilo que rende como vantagem”, escreveu ele em seu livro “A Guerra de Guerrilha”.

Os atentados com homens-bomba em meio a populações civis são, pois, contrários aos objetivos que se queira alcançar, caso sejam políticos, e por isso mal podem ser chamados de terrorismo, no sentido clássico.

Já o roubo de dinheiro, sem mortes, e sequestros de autoridades têm um sentido objetivo de fazer caixa para um movimento político-ideológico e propagandear uma causa, sem atingir cidadãos comuns.

Assim, mesmo que tenham em mente salvar a Humanidade, os protagonistas de atos suicidas recentes nem podem, no mais das vezes, ser comparados à causa nobre dos bois de piranhas.

* Trabalhou nos principais órgãos da imprensa, Estado de SP, Globo, Folha de S.Paulo e Veja. E na imprensa de resistência, Opinião e Movimento. Atuou na BBC de Londres, dirigiu duas emissoras da RBS.
* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.

Seja o primeiro a comentar

Copyright© 2008-2015 | AGUA BOA NEWS COMUNICAÇÃO LTDA Todos os direitos reservados | By: MICHEL FRANCK

Início